Q10 - PUMA, a volta do mito
Compartilhe nas redes sociais

q13 1 - PUMA, a volta do mito

A Puma foi uma fabricante brasileira de automóveis esportivos e caminhões de pequeno porte. Atuou entre 1967 e o início dos anos 1990

 

O Puma GT DKW originou-se do GT Malzini, um automóvel esportivo brasileiro projetado por Rino Malzoni e produzido entre 1964 e 1966. Idealizado inicialmente apenas para competições, utilizando chassis e mecânica DKW (representada no Brasil pela Vemag) e carroceria em fiberglass, foi produzido inicialmente em duas versões: uma espartana, para as pistas de corrida, e outra, de passeio, que posteriormente daria origem ao Puma GT (conhecido também como Puma DKW) e à marca Puma

p3

Puma GT, lançado em 1968 já com a plataforma Karmann Ghia 1500 que substituiu a plataforma DKW, cuja fabricação foi interrompida após a aquisição da DKW pela Volkswagen

p4

Puma GTE (Grã-Turismo Europa) surge em 1970, utilizando o motor de 1,6 litros em substituição ao Puma GT
p5 Puma GTE Spider conversível, lançado em 1971
Em 1973 é lançada uma nova carroceria, apesar de muito similar, era mais aprimorada nos detalhes. O conversível passou a se chamar Puma GTS

p8

Puma GTB,  lançado  em 1974  com a  plataforma  do  Chevrolet  Opala e motor  4100  cc  de 6 cilindros

p10

Em 1976 houve nova mudança de plataforma dos modelos GTE e GTS, passando a ser utilizada a do veículo Volkswagen Brasília

q5 - PUMA, a volta do mito

  A partir de 1980 os pumas foram rebatizados, o modelo GTE passa a ser denominado GTI e o modelo GTS como GTC

q7 - PUMA, a volta do mito

  Puma P-018 apresentado no Salão do Automóvel de 1981, vinha com ar-condicionado e vidros elétricos, o motor era o velho 1.6 VW refrigerado a ar, com cilindrada elevada para 1,7 litros, comando de válvulas esportivo Puma P2, dupla carburação Solex 40 e câmbio de relações longas do VW SP2. Assolada pela recessão dos anos 80, a Puma produziu só 25 P-018 de 1981 a 1983

p15

Puma GTB S2 (série 2), apresentado no salão do automóvel de 1978, o novo modelo apresentava linhas mais limpas com frente mais baixa, utilizando o mesmo motor Chevrolet 6 Cilindros em linha de 4.100 cc, o consagrado “250-S”

p16

Puma GTB S2 “Daytona”. Uma das Oficinas Autorizadas PUMA, denominada Fibrão, criou um Kit de personalização, para o PUMA GTB/S2, denominado Daytona. Este Kit era composto por para-choques maiores, mais largos, saia dianteira e lanternas dianteiras, sendo colocados os faróis da linha Gol e os piscas, saia lateral, aerofólio, maçanetas redondas do PUMA P-018. Na traseira, a placa foi deslocada para entre as lanternas, lanternas do VW Santana ou do Chevrolet Opala

p17

Puma AMV 4.1, foi a terceira e última geração do Puma GTB, tratando-se de uma reestilização do “S2” , alterando-se a frente e a traseira. No interior, os novos bancos Recaro em couro e novo painel de instrumentos

A VOLTA DO MITO

Puma GT Lumimari.
 O novo Puma será produzido em Botucatu, no interior do estado de São Paulo, as obras de construção da nova fábrica estão previstas para o início de 2019, com investimento inicial de R$ 50 milhões, podendo chegar a R$ 250 milhões. Vem  equipado com motor GM, de 180 cv, instalado na posição traseira-central, carroceria feita de fibra de vidro e carbono, chassi  tubular em aço, transmissão manual de seis marchas, freios a disco nas 4 rodas, aro 17, pneus Pirelli Trofeo 225/40, na dianteira, e 244/45 na traseira. A previsão é de 10.000 unidades ao ano, e preço de R$150.000,00

Patrocinado

5997424f3b356 - PUMA, a volta do mito

www.laurianoautomoveis.com.br

Q10 - PUMA, a volta do mito

ANUNCIE AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *