s2 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"
Compartilhe nas redes sociais

 

A história do esportivo brasileiro

s9 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

O “Santa Matilde” foi um automóvel produzido ENTRE 1977 E 1997, pela Companhia Industrial Santa Matilde, localizada na cidade de Três Rios, no estado do Rio de Janeiro.

 

s3 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

Após a crise do petróleo do início dos anos 1970, o governo proibiu a importação de carros. Com isso, surgiram diversos novos projetos, para produção de carros chamados de “fora de série”, destinados a quem procurava exclusividade.

s6 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

Dentre diversos modelos apresentados na época, como por exemplo: Puma GTB e Miúra, destacou-se o esportivo “Santa Matilde” ou simplesmente “SM”. Desenvolvido pela Santa Matilde, indústria de componentes ferroviários e agrícolas, que também passou a atuar,  no segmento automotivo.

s5 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

 

O primeiro protótipo, ficou pronto em 1977, mas apresentava diversos problemas, desde a parte estrutural, ergonomia e dirigibilidade comprometida, o que foi totalmente refeito pela equipe da própria Industria Santa Matilde.  E em 1978 foi apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo, já com as modificações necessárias concluídas, iniciando um legado de sucesso.

s8 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

Tratava-se de um carro revolucionário, com muitos avanços para a época e itens de série vistos apenas em carros de alto luxo, como: direção hidráulica, ar-condicionado, freio a disco nas quatro rodas, vidros elétricos, painel de instrumentos completo e bancos com revestimento de couro.

s10 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

Equipado com motor GM de 6cc, 4.1 a gasolina, 127 cv, 29 kgfm de torque e velocidade máxima de 180 km/h, não era um canhão, mas agradava a quem procurava esportividade. Apesar de utilizar a mesma mecânica e partes da suspensão do Opala, as diferenças entre dimensões de chassis, distância menor entre eixos e posicionamento do motor faziam com que o SM tivesse melhores resultados na estabilidade.

s7 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

 

A partir de  1980, o “SM” passava a contar com os motores 2.5 litros a álcool em versão aspirada ou turbo, além do 4.1 seis cilindros associado ao câmbio manual ou automático. Em 1984 é lançada a nova versão conversível, equipado com capota de lona retrátil e outra de fibra.

s11 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

Em 1985, mais uma grande mudança, “Rose Valverde”, desenhista da Santa Matilde, remodelou o interior do “SM”, criando um novo painel e console combinando com os forros das portas.

s12 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

Para 1987, mais uma mudança, na estrutura e no desenho da carroceria; os 4 faróis redondos dão lugar a um par de faróis retangulares, emprestados do VW Santana, sendo que o modelo conversível permaneceu inalterado até o final da sua produção em 1990.
s13 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"
Santa Matilde 1982
Em 1988 a produção do “Santa Matilde” começa perder força, devido a diversos problemas internos na indústria, totalizaram apenas seis  unidades neste ano, e a partir daí, cada vez menos carros saindo da produção.
s14 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"
Santa Matilde 3.0 – 1997
O último “SM” foi produzido no ano de 1997, com motor GM 3.0 do Ômega, sendo apenas uma unidade sob encomenda.

s15 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

No total foram produzidos 937 unidades, sendo 490 do modelo Hatch, 371 do modelo coupê e 76  conversíveis.
Reportagem Marcus Vinicius
Fotos meramente ilustrativas
PATROCINADO

iguaçu - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

 

ANUNCIE AQUI

1 adesivo blog alta definicão 300x205 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

Contato:
comercial@gasolinanaveia.com.br

s2 - Santa Matilde, ou simplesmente "SM"

 

 

ANUNCIE AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *