Busca

Gasolina na Veia

Categoria

Curiosidades

CIDADE FANTASMA

Nome: NELSON   Estado: NEVADA   

País: ESTADOS UNIDOS

n18

Nelson é uma  cidade abandonada no estado de Nevada, nos Estados Unidos, na área metropolitana de Las Vegas. Nelson fica no Eldorado Canyon. A vila fica no sudeste da região de Eldorado Valley. Em 2010 tinha uma população de 37 habitantes

A área conhecida como Nelson foi originalmente chamada Eldorado em 1775 pelos Espanhóis que fizeram as descobertas oficiais de ouro na área que é agora Eldorado Canyon. Um século mais tarde, os mineiros ocuparam e fundaram a notável Mina Techatticup. Desentendimentos sobre a propriedade, gestão e até disputas laborais, resultaram em frequentes assassinatos. Apesar da reputação sinistra das minas, a vila produziu vários milhões de dólares em ouro, cobre e chumbo.

As minas estiveram ativas entre 1858 e 1945. Muitos dos homens que trabalharam nelas foram desertores da Guerra da Sesseção. Nelson foi um dos primeiras cidades mineiras de ouro em Nevada. A área junto ao rio Colorado foi destruída em 1974, durante uma inundação repentina. A vila foi o local da maior população mineira na região do Eldorado Canyon. Ouro e prata foram descobertos ali por volta de 1859.

 A vila deve o seu nome a Charles Nelson, um prospetor que foi assassinado na sua mina em 1897 pelo índio “Avote”.

Hoje “Nelson” de fantasma só tem o nome, a cidade além de receber milhares de turistas todos os anos, também é cenário para ensaios fotográficos, tanto para propagandas de moda quanto para álbuns de casamento.

N22

PARA QUEM NÃO TEM MEDO DE FANTASMA, É UM PASSEIO, DIGAMOS…CURIOSO

UM DEPÓSITO DE CARROS ANTIGOS

Durante nossas andanças por aí, descobrimos no interior do estado de Minas Gerais um galpão com mais de trinta carros antigos, todos muito bem guardados e longe dos olhares de curiosos.

IMG_4177

 

Quem passa por fora deste galpão todo fechado não imagina as raridades que ali estão

Como diz o proprietário, não se trata de uma coleção e sim de um depósito de carros antigos

São diversas marcas e modelos como: Opel, Dodge Dart, Dodge Charger

Este é o “Opel Rekord” que deu origem ao Opala Cupê

IMG_4171.JPG

Destaque para este “Chevrolet Opala 1971” com baixíssima quilometragem

Este “Impala 1959” ainda está com as placas amarelas e mantém a pintura e mecânica original

Em perfeito estado, ainda com pintura original este “Plymouth 1952”

Chevrolet com câmbio Hidramático

“Opel” que deu origem ao “Chevrolet Caravan”

Dodge Charger RT 1977

Opel 1957

Opel 1960

Dois exemplares do “Dodge Polara” os famosos “Dojinho”

É evidente a preferência do proprietário pela marca “Opel”

IMG_4167

Devido a disposição dos carros, não foi possível ângulos muito perfeitos para as fotos

IMG_4174

Melhor que seja assim e eles continuem bem quietinhos nesta garagem dos sonhos

Fotos e texto de: Marcus Vinicius

O CORSO CARNAVALESCO

Os Automóveis sempre estiveram presentes nos carnavais desde o início dos anos 1900

Corso carnavalesco, ou simplesmente corso, foi um tipo de agremiação carnavalesca que promovia desfiles utilizando carros, abertos e ornamentados, pelas ruas das cidades, com foliões geralmente fantasiados, que jogavam confetes, serpentina e esguichos de lança perfume nos ocupantes dos outros veículos. 

Por extensão, por vezes “corso” também era o nome dado aos passeios promovidos pelas sociedades carnavalescas do Rio de Janeiro.

A brincadeira, de origem europeia, foi muito popular em diversas cidades do Brasil no início do século 20, sendo uma tentativa de se reproduzir as batalhas de flores características dos carnavais mais sofisticados da virada do século, como, por exemplo, o da cidade de Nice, no sul da França.

Por sua própria natureza, o corso era uma brincadeira exclusiva das elites, que possuíam carros ou que podiam pagar seu aluguel nos dias de carnaval.

 No Brasil antes do surgimento dos automóveis, o desfile de corsos já existia em algumas cidades, tais como Recife e Olinda, onde era composto por carros puxados a cavalo como: cabriolés, aranhas (carruagens leves de duas rodas), charretes, entre outros modelos. 

Até hoje os carros antigos fazem parte dos carnavais resgatando a beleza dos carnavais antigos, o que acontece como por exemplo em São João Del Rey em Minas Gerais, Conservatória no estado do Rio de Janeiro e diversas outras cidades do Brasil.

c17

Texto de Marcus Vinicius

Fotos meramente ilustrativas

Anasagasti

      Após o inicio da Primeira Guerra Mundial Horácio Anasagasti construtor de carros Argentino e também a primeira indústria de automóveis da América do Sul tem um grande problema com sua indústria: a questão do financiamento de carros. Muitos do compradores atrasam ou param o pagamento, fato logo agravado pelos fornecedores europeus não mais honrarem com o fornecimento de peças. Continuar lendo “Anasagasti”

O carro mais caro do mundo

Rolls-Royce Silver Ghost 1906

Avaliado em cinquenta milhões de dólares, hoje pertence a própria montadora, pois, enquanto o carro estava sendo restaurado  o seu proprietário faleceu, então os herdeiros  resolveram vende-lo. Trata-se de um carro muito raro,  foram produzidas apenas 7.876 unidades deste modelo.  Considerado o melhor carro do mundo na sua época devido a motorização, o luxo e o refinamento que perpetuaram a marca Britânica.

 

 

Nas Curvas da Estrada de Santos

Aconteceu em 10 de agosto de 1958 a “II Subida de Montanha”, prova de velocidade realizada na Estrada Velha de Santos, o antigo Caminho do Mar, utilizado pelos paulistanos para ir e vir da Baixada Santista.

A prova do Caminho do Mar reunia aficionados por carros e competições no pé da serra, para cumprir a subida de 7,2 km no menor tempo possível. O regulamento da prova dividia os automóveis em duas classes, os normais e os especiais. Os primeiros eram originais de fábrica, com preparo livre porém mantidas as características principais, com classificação em quatro categorias, até 250 cm3, até 1.300 cm3, até 2.000 cm3 e Força Livre. Os especiais eram carros de corrida, com qualquer motor, chassi, suspensão e freios, separados em duas categorias, até 2.500 cm3 e Força Livre.

Foi a classe normal que reuniu a maior quantidade de participantes, todos com modelos mais conhecidos do público, como DKW, Fusca, MG ou Porsche. O vencedor da categoria até 250 cm3 foi Álvaro Andrade, com Romi Isetta; até 1.300 cm3 venceu Flavio Del Mese, com DKW; até 2.000 cm3 o Porsche de Guy Whitney foi mais rápido e na Força Livre venceu a prova Waldemyr Costa, com Nash Healey. Na categoria até 1.300 cm3 havia ainda MG, Simca 1200 francês, e Fiat 1100. Até 2.000 cm3 participaram Citroën 11 Légère e Porsche.

q6

A prova estava marcada para as 8:00 hs da manhã, mas só foi dada a largada as 10:15 hs por motivo de segurança, pois, a partir da chamada curva da morte até o topo da serra a neblina tomou conta da estrada, impedindo totalmente a visibilidade no local. Mesmo aguardando todo esse tempo, na hora da largada ainda não havia dissipado toda neblina, mesmo assim a prova transcorreu sem transtornos.

Muitos pilotos foram impedidos de  participar da II Subida de Montanha por uma razão hoje óbvia,  a falta do capacete. A comissão organizadora foi firme na questão e seguiu as regras da FIA – Federação Internacional de Automobilismo, com a supervisão da Comissão Desportiva Regional do ACB e pela Polícia Rodoviária. 

q28

Muito interessante esta foto do pai com o filho pequeno assistindo a prova.

q1

Picape ou avião?

picapemotorradial

Esta picape Plymouth 1939  trata-se de um verdadeiro projeto exclusivo, considerando que ela foi equipada com um motor de avião, com 7 cilindros e 12.4 litros.

Normalmente, vemos muitas caminhonetes sendo preparadas com motores de seis cilindros, mas essa é realmente única considerando o seu motor Jacobs radial de avião, que desenvolve cerca de 300 cv .Essa super picape é uma criação de Gary Corns.

a2

Aliás, ele é dono de um imenso ferro-velho nos Estados Unidos, no Colorado.

248203

Dessa forma, ficou mais fácil colocar a criatividade em ação, depois que ele havia comprado essa caminhonete Plymouth completamente detonada.

Somando a isso, ele encontrou um avião hidroplano dos anos 1950 num cemitério de aviões na região e então decidiu trabalhar, com os filhos e amigos, na criação dessa caminhonete insana.

Old Car City

Preparem-se para conhecer o maior cemitério de carros do mundo

q1

Em meio a uma densa floresta encontramos OLD CAR CITY, localizado em White no estado da Georgia nos Estados Unidos. Tudo isso começou em 1931 como uma revenda de peças usadas,  mais conhecido como ferro velho, o que foi tomando um vulto tão grande, e hoje é o local com maior número de carros abandonados no mundo.

Tudo por aqui é uma mistura de assustador com nostalgia e paz.  O local tem mais de 6 milhas de trilhas pela floresta, que após acostumarmos com o silêncio e cenas da vegetação se misturando com os carros, realmente dá vontade de ficarmos por muito mais tempo.

q11

q111

q24

Se você está perto de White, Georgia (cerca de 1,5 horas de Atlanta), não perca a chance de passar por Old Car City. Recomendamos usar bons sapatos, um cartão de memória grande em sua câmera e um monte de repelente de insetos. Old Car City está aberto de terça a sábado, e custa R $ 25 para entrar .

Difícil parar de admirar tudo por aqui.

q44q45q46

Mas, não pensem que isso aqui não tem dono. Este terreno e todos carros pertencem a Walter Dean Lewis e nada disso está a venda. Ele sobrevive da cobrança de ingressos dos visitantes de sua floresta e seus velhos carros.

 

q111

Em Old Car City não tem muito o que falar,

é só observar e curtir.

Cadillac Ranch

c1

O Cadillac Ranck, também conhecido por “Caddy Ranch”, foi criado em 1974 às margens da Rota 66, em Amarillo no Texas.

c7

Obra de um grupo de artistas de San Francisco, denominado “Ant Farm”, e financiado pelo milionário texano Stanley March 3,  consiste em 10 automóveis “Cadillac” de modelos diferentes produzidos entre os anos de 1948 e 1963.

c11

Marsh queria uma obra de arte moderna para homenagear os habitantes de Amarillo, então, os artistas propuseram uma evolução dos Cadillacs.

c8

Os carros foram enterrados em suas cores originais, mas, a partir de 1976, começaram a ser pintados por grafiteiros  ao longo dos anos, o que modificou por várias vezes as cores dos Cadillacs.

A partir de 1997 os carros foram transferidos, por um empreiteiro,  para um pasto de gados a 3 milhas do local originário, impedindo assim que interferissem no crescimento da cidade.

Apesar de estarem em um terreno particular, os carros podem ser visitados, através de um portão que nunca é trancado.

 

Vídeo:

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑